quinta-feira, 14 de junho de 2012

Quando Nos Abandona a Conciência...

Então o Grilo continuava ali, amuado, recusando conselho ou palavra.
Deixara o adjetivo que seguia seu nome se tornar em mero sobrenome, como qualquer Silva, e se acompanhava o garoto graveto era com desprazer, uma teima resquicial de um sentimento de dever ainda evocada pela insistência de não negar-se a si mesmo.
O garoto havia se vendido, e cresceram-lhe orelhas, rabo, dentes de asno e, de suas mentiras o nariz se estendia de palmo em palmo até tornar-se em carvalho e subjugar como vulgar apêndice a pequenez do corpo esculpido.
Não só por mais uma vez ele implorou por orientação, mas as disposições do Grilo eram de silêncio...
O Grilo falara por muito tempo, agora as obstinações do crescido boneco o haviam lhe roubado os cuidados e o afeto, e deviam ser o guia que o encaminharia o restante do caminho...
A consciência permaneceu até a decomposição dolorosa do projeto humano sob a potência agigantada de seus erros; depois, partiu pra encontrar quem verdadeiramente prezasse sua companhia!  

Anderson Dias Cardoso.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...