segunda-feira, 4 de novembro de 2013

A Competência!


Não que fosse bom ator... Melhor dizendo; nem era daqueles medianos, possíveis em papéis não tão notáveis, mas que ainda podiam se realizar em alguns secundários, mesmo que para isso fosse sempre previsível uma triste jornada dupla!
Se, porém, não fora um daqueles beijado pelas musas, e nem conseguisse emular tantas emoções quanto lhe pedia o cardápio teatral, contudo contava com uma peculiaridade interessante que o transformava, em ocasiões e com tipos determinados, num interessante espetáculo de atuação:
Era hipocondríaco, ainda que ninguém o soubesse!
Quando necessitavam alguém problemático, convalescente, debilitado, doente, ou moribundo, já o assinalavam em suas listas como um sucesso certo, e uma atuação brilhante!
O homem, por sua vez, só necessitava se esmerar nas cenas que antecediam sua tragédia; e, se por ventura sua atuação estivesse aquém da peça era só disfarçar e abrir um livro de patologias e ler um de seus retalhos para sentir que sua vida agora estava por um fio!
E ele se contorcia, suava, gemia, suspirava; isso com a estampa perfeita ao que pedia o papel!
A doença ia bem, e fazia bem, até que lhe ofereceram um personagem enfermo que logo passaria a finado por conta de uma doença desconhecida; e ele, dedicado que era, preparou um lembrete com os sintomas da primeira, e um segundo para imitar por catalepsia aquela morte!
Findando o assunto, o homem morreu tão bem que foi enterrado vivo; como o coroamento de seu excelente trabalho!



Anderson Dias Cardoso.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...