domingo, 3 de março de 2013

A Fragilidade Do Silêncio.

Encontraram-se, ocasionalmente, quando foram atraídos pela paisagem crepuscular que só aquele lugar proporcionava.
Compartilharam o mesmo banco, mas nenhuma palavra.
 E assim transcorreram vários momentos de contemplação e êxtase, imersos no silêncio possível àquela distância do centro metropolitano.
Quando se levantaram o único contato de despedida foi o olhar, e, ainda assim resolveram-se secretamente, pelo prazer da quietude e respeito de um ao outro, que visitariam novamente aquele particular pôr do sol sendo passíveis de outro encontro!
Retornaram semana seguinte, e noutras tantas que isso se configurou costume e hábito por uns 35 anos ininterruptos!
Num dia, em que o céu havia mesclado as tonalidades rosáceas aos azuis violetas e brancos, e as composições densas de cúmulos, a suavidade esparsa dos cirros tornara em maravilha o que os olhos podiam se deleitar, o primeiro se admirou e comentou de seu deslumbre com o segundo quebrando o protocolo!
Houve tão grande discussão que o espetáculo e ambiente perderam seu significado!
Nunca mais se visitaram; nunca mais se viram depois que se falaram!


Anderson Dias Cardoso.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...