domingo, 10 de março de 2013

A Dimensão Da Culpa.


É certo que errara comigo, mas, diante da insignificância da falha o perdão foi coisa fácil; e ainda assim o garoto sempre permanecia em minha órbita, com seus discursos suplicantes sem, contudo alguma apologia!
Logo já não me olhava sem se enrubescer, ou me falava sem presente, e eu me ri do seu embaraço por tão pouco, até que o remorso foi o corrosivo da amizade, e ele se afastou...
Afastou...
Afastou...
Levando consigo uma dor da qual já o havia libertado, e a potencializando com toda culpa disponível até que a hipertensão emocional furtou-lhe o fôlego!
Não era pra tanto, mas, quando morreu pela ofensa tão medíocre me peguei pensando se talvez ele tivesse ciência da gravidade do ato, e eu não...



Anderson Dias Cardoso.

2 comentários:

Marcela Melo disse...

Errar é inevitável, perdoar é sensato...
As vezes, mesmo tendo a perspectiva da gravidade do erro, é melhor ignorar e deixar a vida mais leve...

Sempre por aqui.
Abraços!!!

http://mmelofazminhacabeca.blogspot.com.br/2013/03/a-busca-cinema-nacional.html

Célia disse...

Os erros são nossos maiores professores! Com eles, aprendemos a pedir perdão e perdoar...E também a cometer erros diferentes! rsrs

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...