sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Indigente Tecnológico.



Após findarem exitosamente a engenharia do homem sintético levaram à cabo a execução esmerada de um corpo externo tão semelhante aos demais que já não podiam dizer que não vivia!
Implantaram memórias de abandono de uma família inexistente, traumas e abusos e o libertaram para ser discreto experimento social nas ruas de alguma metrópole e esmolar por sobrevivência.
A aparelhagem contava com reguladores térmicos, simuladores de processos orgânicos internos, efeitos circulatórios, reparação de tecidos; além de reproduzirem fielmente pequenos distúrbios e somatizações que garantiam veracidade ao tempo que não provocassem mal estar suficiente para a necessidade de cuidados médicos.
 Os receptores visuais repassavam a triste rotina, do errante ao Laboratório Comportamental, vez por outra embaciados pelas frustrações, carências e angústias.
O mecanismo de interpretação de fome e seus processos reagiam sempre tristemente às sobras vencidas que freqüentemente lho ofertavam.
O corpo, de aparentes quarenta anos, sofria comichões pela imundícia que lhe cobria os poros, mas quando se refrescava em qualquer torneira exposta, se agasalhava nos mesmos mau-cheirosos trapos dantes.
Foi acoitado por calmaria e frio.
Encontrou amigos para repartir o pão.
Viveu um único amor, (ainda que houvesse se enamorado por tantas belezas passantes), e o sentimento o levou a acreditar que era sua a criança que a mulher levava no ventre.
Sofreu, quando a mulher se perdeu nas drogas, e mesmo quando lhe disse e reafirmou o seu amor, em delírios aquela alma negou o conhecer.
Em sua tragédia a mulher, ainda que em outras dimensões de consciência, lhe impediu o acesso ao filho, para depois o abandonar à morte por inanição enquanto aspirava a deliciosa marica.
O homem se desgostou de sua condição, de suas perdas, de sua meia humanidade (ainda que não a soubesse nem possuir tal metade!) e se deixou vagar vencido sem qualquer relação até que o peito acusou a dor!
Era sintoma de bateria falida; e o corpo do Adão tecnológico foi encontrado no descaso de uma rua lamacenta da periferia.
Foi enterrado como indigente numa vala comum, e seus olhos ainda transmitiam imagens enquanto a terra cobria-lhe a carcaça.
Alguns engenheiros choraram seus sentimentos, à despeito do sucesso da empreitada... 


 
Anderson Dias Cardoso.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...