domingo, 21 de outubro de 2012

O Homem Só.


A atual fragilidade o levava a urinar quase sem rumo, respingando o líquido fétido e espesso de medicamentos sobre outras manchas e corrosões prévias a suas últimas internações.
Freqüentemente as somas das impressões daquele cômodo agrediam-lhe as narinas e inundavam-lhe a boca com um ralo e amargoso vômito, mas cozinha quarto e sala possuíam também suas características repulsivas.
Quando o entorpecimento dos analgésicos lhe roubava o equilíbrio nem sempre encontrava aparadouro, então, o corpo já tanto ulcerado sofria no mínimo contusões e se manchava de doloridos hematomas.
No caminho para o quarto visitou a cozinha imunda, e isso foi mais ato de costume, pois os alimentos representavam uma ingestão necessária, dolorosa e de paladar paupérrimo, segundo prescrições dietéticas indispensáveis!
Olhou triste para o desarranjo do lugar, pia era a base de uma engenharia de panelas, pratos e copos engordurados e bordas modeladas de crostas. Não havia disposição para a higiene, não havia força além da que sustentava a dificultosa jornada de apelos fisiológicos.
Desde que se ressentira de sua parentela por um milhão de desentendimentos, toda a raça foi à juízo de suas antipatias e somente se permitia ser alvo de umas poucas misericórdias despendidas dos que prezam qualquer vida, das quais pão e leite e medicamentos cruzavam as portas sem levar consigo qualquer companhia, ou deixar qualquer agradecimento.
Apanhou mão esquerda o copo mais próximo e, ignorando a sujeira o encheu sua metade de água da torneira; provou-a e sua mornidão trouxe-lhe mais ânsias, porém a geladeira só servia como guarda de algum cereal restante e prováveis sobras estragadas.
Forçou o líquido garganta abaixo enquanto deixava escapar sua tristeza através da lágrima. Rumou da cozinha à sala; lançou o embolado de cobertas ao lado e sentou-se na armação de sofá.
Se incomodou tanto com a programação chuviscada e desinteressante da TV preto e branco quanto as molas que lhe perfuravam as nádegas e costas.
Quinze minutos depois já se acomodava sob dois lençóis encardidos, entre as paredes amareladas de resíduos, respirando as emanações volatilizadas de seus excrementos; impregnadas desde os tempos do agravamento dos espasmos convulsivos.
A alta janela aberta deixava sobrar uma leve brisa, mas esta era resistida pela densidade viciada do cubículo; e o homem dançava em suas dores solitárias...
Não era justo com o mundo que o tivesse abandonado, e agora, enfermo, lhe requisesse algum cuidado...
Deixou de dar corda no relógio naquele dia, dormiu seu sono triste esperançoso que fosse o último...


Anderson Dias Cardoso.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...