sexta-feira, 24 de agosto de 2012

O Homem Justo.

Leiloaram um homem honesto, último exemplar!
E ele havia se  vendido à escravidão por vergonha à dívida, e foi propriedade particular, quando a opinião pública rogava direito de posse!
Ele era a Quimera municipal, a mitologia tornada crível pela carne e caráter que vestia, ainda que uns duvidassem do que diziam os ingressos, era mercadoria genuína!
Sem posses, sem direitos, se apegava  somente o que achava ser dignidade; essa subjetiva alienação dos fracassados,e, quando lhe negaram qualquer serviço para somente observar sua existência se resignou a viver a frugalidade de convidado que se considera inoportuno!
 Sua exclusividade garantiu seu peso em ouro, raridade que passava de dono a dono, uma dívida de pouco se tornava milhão!


Anderson Dias Cardoso.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...