quinta-feira, 26 de abril de 2012

Palavras Novas.


Tendo em mente o desprezo pelo vulgar, por toda redundância das expressões comerciais, e o esquecimento quase certo de presentes temporões, resolveu-se por agradar o namorado com um carinho simbólico.
Urdiu, com peças significativas, uma trama confusa de expressões materiais.
Descartou à todas!
Saiu então, um bom tempo depois, absolutamente realizada com o pouco volume de um envelope em sua mão esquerda!
O papel, ao menos, fora armado e bordeado com tal zelo que a manufatura era consultada entusiasticamente entre os vibrantes passos pequenos.
O nome se notava dourado diluído na gramatura respeitável do embrulho, sem dedicatória alguma.
Era o que a simplicidade requeria!
Ele atendeu a porta, ela o abraçou e, no intervalo dos cumprimentos as mãos ansiosas do apaixonado já rompiam a delicadeza do lacre.
Sacou surpreso o conteúdo do precário embrulho.
Nada mais era do que uma folha pautada com leve perfume:
-Esta dirá sempre, e com palavras novas em cada vez que a mirar da singularidade de nosso amor!E então crerás que até em uma folha em branco hás de me ler em entrelinhas!


Anderson Dias Cardoso.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...