domingo, 29 de abril de 2012

O Gastrádipo.


Visitou novamente o armário, apartando os úteis para o dia.
Gorro, luvas, paletó (ainda que um pouco empoeirado) e as calças forradas e folgadas para uma caminhada desenvolta, e lá, escondido pelas sombras do fundo do compartimento estava.
Um Gastrádipo sempre era uma coisa bonita de se ver!
Escorreu os dedos nodosos para o interior da peça buscando o toque; recuou indeciso diante da invulgaridade das texturas, cores e relevos.
Contorcia-se vez em quando em um leve tremular sonolento, e o susto sempre acompanhava uma gargalhada!
Resolveu-se por tomar por um pouco em suas mãos, e, no tocar da pele fria, na troca de temperatura entre os corpos e todo envolvimento emocional do momento, sentiu-se um pouco triste pelo seu exclusivismo!
Experimentou ainda mais um pouco o peso, e as sensações de posse empática...
A porta do quarto se abriu, e ele, meio que constrangido devolveu o Gastrádipo ao seu claustro e esquecimento.
Sabia que a visão de um Gastrádipo não é pra quaisquer olhos!

Anderson Dias Cardoso.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...