quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

O Absurdo de Uma Maternidade.

Sempre gozou de boa saúde, e agora, na primeira metade de sua trigésima data resolveu-se por engravidar.
Levaram em consideração a falta de metade de suas porções; de seu olho, seio, braço, perna, e outros aparatos normalmente duplos e que naquele corpo insistiram em se desenvolverem únicos.
O útero se estendia em uma trompa solitária, porém frutífera como uma árvore de muitos pomos, e quanto ao músculo cardíaco e o pulmão; foram aprovados clinicamente para suportar uma outra ou mesmo, duas vidas.
Consultou alguns perfis de cadastros de doação para escolher possíveis características à criança e, quando lhes introduziram-lhe as sementes ao ventre já tinha a imagem perfeita do corpo pequeno que já era desde então a completude e satisfação de sua feminilidade torta.
A cria saiu-lhe esperta, e adiantou o grito à palmada e; no contar de membros de nada deram falta, mas foi quando o choro veio em dois timbres que se denunciou:
Eram dois meio corpos perfeitos, duas crianças em uma!

Anderson Dias Cardoso.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...