domingo, 6 de fevereiro de 2011

Uma Nova Babel.

Um segundo pecado, a nova Babel construção literária  de tijolos sem encaixe se ergue num
mundo vazio.
É logo desfeita em meio a protestos, e som de murmúrios dividida não por língua, mas
por linguagem!
A infortuna prole migrante da litigante construção se espalha, e a confusão das
linguagens dá luz a diversas caricaturas...
Literalistas, cimentam o sentido da letra com zelo farisaico;
Simbolistas encontram o sentido até na falta do sentido;
E entre niilistas e anarquistas a linguagem se desfaz e se refaz de rebeldia e caos.
Mas se cria muito o já criado,
Se aproveita, recicla, renomeia...
E onde se separam por divergências literárias se unem inconcientemente à massa estéril da mesmice
absorvendo se um ao outro como produto diverso,
No fim todo igual...
E fagocitam-se e criticam-se como se houvesse alguma diferença!
E ainda entre produtores e consumidores da dita literatura, há o limbo brumoso,
O vestíbulo da ignorância de analfabetos funcionais;
Quando analfabetos "OPCIONAIS"...

Anderson Dias Cardoso. 

Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...