domingo, 17 de outubro de 2010

Balé do Espantalho.

Tocou as sapatilhas empoeiradas naquele armário já esquecido, os dedos fofos corriam no tecido negro, e o peito se comovia mais um tanto!!! O piano cantava leve um convite ao salão, enquanto se enrolava em fitas, atando-as, dando contorno ao seu corpo de palha! Uma angústia ia nascendo na alma, e o sorriso nervoso se fez; então ele correu pronto para as portas, e cruzando-as encontrou-se no seu éden!Contorcia se meio flutuante pelo som, e sentia a angústia tornando se um ardor, e a leveza sua o conduzia em voltas e passos de dança,o chão de vinil rogava por toque,mas seus pés aeravam zombando da gravidade,dançava sob a revoada dos corvos,porém não se lembrava de seu ofício,mas a música foi se tornando vento,e no teto,os caibros,estrelas e o frescor da noite aliviou o calor do corpo,e as sapatilhas se feriram nos seixos,mas a dança o movia com amor,e ele rodopiou,e rodopiou em meio à plantação,e se viu sozinho,e parado se dobrou à solidão,e correu pelos corredores do milharal,e escalando o madeiro abraçou se nervoso à sua rigidez,e negou seus movimentos,e temeu a escuridão e notou que era só um espantalho,e as contas negras caíram de suas órbitas,e os corvos que antes assustava gorjearam satisfeitos um adeus...

Anderson Dias Cardoso. 
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...