domingo, 26 de julho de 2015

Concurso Público.


Se se preparou para aquele momento; sua mãe inda mais!Acordou às duas da madruga para cozinhar o feijão preto, e temperar a orelha, pé, rabo; além de ferventar a lingüiça suína caseira, comprada na mais respeitada banca do mercado municipal.
Quando desceu do ônibus, com a marmita cheia, e o olhar confiante; rumou para o bloco das “Engenharias” para descobrir sua sala.
Eles (os funcionários) até a indicaram com uma certa simpatia, mas cismaram com a trouxinha improvisada com um pano de prato limpo, e que segurava um garfo dos bons, que não entortava com uma espetada viril.
-Deixa eu entender, moço: O povo entra com salgadinhos industrializados, pizzas, enroladinhos, e tudo mais; mas eu não sou “civilizado” porque trago a marmita de mãinha?
A discussão foi vencida pelo mancebo, com muito bom argumento. Na “pausa” para sua “merenda”, lá estava o garoto franzino, todo orgulhoso de sua fartura; enquanto todo o pessoal cochichava ao seu respeito, à despeito dos olhares indignados dos examinadores.
O delicioso cheiro inundava a sala; e a boca lambuzada sorria despeitada!
Não importava a nota!Aquela estava sendo uma manhã inesquecível! 



Anderson Dias Cardoso.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...