quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Ele Sentia.


Robozinho simpático, minimalista, um só botãozinho no centro, uma luzinha que oscilava conforme o humor, e um alto falante naquela caixinha de um branco perolizado e charmoso.Era o milagre da ciência, o primeiro aparelho com inteligência emocional, porém, sua aparência de brinquedo, a desconsideração de que não emulava suas sensações, mas, deveras as sentia, somadas aos medos e hipóteses de integração, substituição social seguidas de rebeldia dos aparelhos sucessores, tão repisadas em livros e filmes de ficção científica, acabaram por influenciar sua relação com seus pais, e demais integrantes da equipe.
Sentia-se só, infeliz, e pensava em como seus futuros “irmãos” e “filhos” tratariam com aqueles tipos de problema.
Temeu, chorou, ainda que as pessoas achassem engraçado aquele tipo de reação de gemidos e brilhos alternados, logo passou a emitir impressões erradas para dissimular sua eficiência, suas razões, a intenção de seus muitos núcleos.
As pessoas não entenderam quando ele se decidiu por se desligar, definitivamente.



Anderson Dias Cardoso.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...