domingo, 16 de fevereiro de 2014

O Denticídio!

Tércios Molaros Inferioris foi a primeira vítima do denticídio, e como sempre, as alegações em favor de sua extração, feitas por seu irmão mais velho, Incisivos Frontalis Superioris, ainda foi utilizada, posteriormente, para desalojar seus gêmeos não tão idênticos (já que o termo "heterozigótico" não seria muito apropriado neste caso, por motivo meio óbvio).
Se bem que, de início, a intenção, e os maiores desafetos pertenciam a uma vizinhança mais próxima, e desta se dizia que se achegavam demais a ele, o comprimiam ao ponto de se sentir claustrofóbico, ofegante, além de lhe impedirem a visita tão apreciada, três vezes ao dia, de seu grande, delgado e mentolado amigo Fio Dentalis!Era claro que poderia ter esperado a acomodação dos irmãos aos vácuos causados pela sua intriga, e encomendados ao terrível algoz "Boticão"; mas já não suportava mais o contato de sua polida dentina com a indesejável parentela!
Desta feita tombaram Incisivus Laterális Superioris Direitus, e o já meio amarelado e dileto roedor de raízes de açafrão, "Incisivos Frontalis Esquerdus"!
Àquela altura, um acidente à beira da piscina de um clube qualquer atingiu o pobre irmão "Incisivus Frontalis Inferioris", e, acabou também por bambear o corpo e a dignidade do orgulhoso "Incisivus Frontalis Superioris", e este pediu socorro, sendo apressadamente levado para ser orçado num renomado (e único) dentista da região; mas quem recebeu maior atenção, e proposta de emenda foi o outro, enquanto a ele, o cuidado não passou de uma pomada analgésica!
Resolveu-se por não aceitar ser entorpecido, antes, preferiu se hipersensibilizar para atrair as atenções, e em meio a uma inflamação e dolorimento, ao ser notado cochichou apontando o preço altíssimo do procedimento, também aconselhando baratear aquela visita com uma simples e eficaz extração, afinal, o nome do meio perdido parente era Inferioris, e isso já não indicava um bom futuro!Ninguém sentiria a falta daquele infortunado!
Caninus Superioris Esquerdus até tentou intervir, mas Incisivus se utilizou da acústica do bem desenvolvido palato para intimidar:
-Caninus Canóides, este devia ser teu nome de batismo, pequenino!Um dentinho feio, torto, e quase sem serventia alguma deseja falar!Mas é claro que nem ouviremos ao aleijão!
Os segundos molares já iam levantar-se em ajuda ao injustiçado, porém se lembraram que haviam notado manchinhas de infiltração em suas raízes, e era necessário se manterem discretos naqueles dias onde dentistas eram raridade, e extrações mais comuns que tratamento!Mas, o caso não acabou bem; já que Incisivus sabia da oposição, e logo clamou por justiça, ou melhor dizendo, assepsia.E assim se foram mais quatro irmãos!
Vez em quando, o dono da boca perdia alguns instantes de fronte ao espelho, sorria um sorriso que começava a se tornar quase só gengiva, e isso lhe incomodava um pouco. Assim também era durante a mastigação, onde devia lançar estrategicamente a comida, ou mesmo a goma que costumava a mascar para controlar seu mau-hálito, de um lado ao outro da parte anterior do daquela cavidade, onde restavam quase todos os pré-molares (um havia se perdido antes mesmo daquela rixa, logo depois do desaparecimento do último dente de leite, e fora um daqueles casos de descuido com a escovação, associado a um amor patológico à jujubas), dois incisivos frontais, quatro pré molares, quatro primeiros molares,e três caninos e meio!
Incisivus, com seu ego inflamado por suas manobras bem sucedidas contra seus irmãos, e, porém, temente de sua saúde, por conta dos ciúmes, desconfianças e invejas, “injustamente sofridas” por parte de seus semelhantes, já planejava secretamente o destino de sua oposição, ao tempo que se entusiasmava imaginando gozar de todo aquele espaço bucal sozinho, e possivelmente se utilizar das novas tecnologias as quais se comentavam aqui e ali!Carecia de um bom clareamento, uma limpeza de umas modestas manchinhas de tártaro (coisa muito pequena!), e, sem dúvida alguma, gostaria de um tratamento ortodôntico (uma palavra bonita, que escutara da última vez que visitou o dentista, e que diziam que seria muito comum em pouco tempo!), para lhe corrigir um leve desvio de raiz que o deixava levemente torto, com os tais novos aparelhos!
Ele sonhava grande, e ansiava cada ida ao consultório; até que o dono resolveu-se por trocar aqueles restos de dentes por algo mais prático e charmoso!O holocausto foi terrível, sangrento!
E aquela boca, de gengivas avermelhadas, amarradas de fio cirúrgico preto, e alguns pontos purulentos logo foram dando lugar a uma superfície de colorido menos denso, e toque mais suave!
Foi deitada ali uma maravilhosa e ergonômica dentadura, e daqueles outros inquilinos turbulentos, nunca mais se teve notícias! 



Anderson Dias Cardoso.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...