domingo, 24 de novembro de 2013

Um Resto De Mundo.Parte 3.



Ia consultando os avisos fosforescentes, mas estes indicavam que o lugar ainda lhe custaria vários minutos naquele caminhar torto de álcool, e pesado de cansaço, foi quando ouviu atrás de si passos corridos e até tropeçados que lhe pareceram ser de outra criança.
Segurou no bolso o estilete e prendeu o fôlego  pensando tensamente que, se atacado, qual lugar devia tentar ferir pra depois arriscar um pique.
-Espere!-Pelo tom, era a mulher do bar; continuou apertando o instrumento na mão.
-Vai embora, ou eu chamo a polícia!                     
-Por favor, faça amor comigo!-A voz havia se modificado em um arranhar angustiado na garganta, e acompanhado por um leve avançar em direção da luz. Sua boca triturada, o nariz esmagado e as faces pintadas por diversos hematomas.
-Sai daqui vagabunda!-rosnou inclinando o corpo para adiante, ameaçando sacar algo do bolso.
-Eu faço barato, e o que você quiser... Por favor moço, eu preciso do dinheiro- ia tentando desnudar um seio flácido como desesperado artifício de sedução, mas ele a empurrou com toda força, e lhe exibiu a lâmina esperando a afastar definitivamente; mas ela havia batido  a cabeça na estrutura metálica; zonza e assustada tocava o sangue e o novo ferimento, soluçando mais alto aquele choro engasgado!
Ele havia partido e ela ainda não conseguira crédito para mais que uns poucos minutos de imersão!
Num instante havia sol, nuvens pascindo calmas o horizonte, a estrada de terra castanha que levava a casinha que cheirava a pão fresco!Ela subiu os três degraus da escadinha e ouviu a voz amorosa do pai, mas ainda não podia atender!

Correu para o banho, e à medida que a água quente lha avermelhava a pele, a esponja lhe arrancava as dolorosas crostas e o nauseante cheiro de sexo, ela sentia seus seios minguarem, seus pêlos sumirem foi quando abriu a porta para encontrar se com quem a esperava, e já nem mais era uma mulher!
Secou os pés ajustou o vestidinho de renda, sorriu com o canto são da boca e partiu ligeira para perto da lareira, para seu colo dileto!
-Oh!Minha pequena!Onde machucastes esta tua boquinha?-A voz do homem era grave e terna; na verdade lhe adoecia de amor ouvi-la, ainda que o rosto anuviado de sonho não a deixava enxergar seus olhos!
-E... Eu caí enquanto apanhava algumas frutas!-A voz vacilou aquela mentira. Não arriscava nada mais elaborado por medo que tantos detalhes lhe traíssem a dissimulação.
-Deixa eu te limpar!-Estendeu para a boquinha amassada um lenço cheirando lavanda e roçou o levemente sobre a ferida-Tens que tomar mais cuidado com tuas travessuras!
-Brincaste com os garotos da vizinha?
-Eles são meninos... Eu não gosto de meninos, eles sempre me machucam...
-Eu também sou um menino!-Sorriu comprimindo-a contra o peito, da forma como a costumava fazê-la  adormecer.
-Não... Você é só uma mentira a qual eu pago com meu corpo, e que me faz recordar um passado que acho que uma vez vivi, mas hoje em dia nem tenho mais tanta certeza...-falou naquela língua que inventara para si, e que era exercitada em voz baixa para que nunca percebessem o quanto era infeliz!
-Tua mãe está a assar um daqueles deliciosos pães, veja que ela passa pela porta da cozinha neste instante, e veste aquele avental florido que você elogiou outro dia!
 -Não!!!-A garotinha gritou- Eu diga pra ela ir embora daqui!Embora dessa casa!
-Por que não vai até a cozinha, vocês fazem as pazes e você aproveita a caminhada para me trazer uma xícara de café?
-Não!Não!Não!...............Ela não é mais minha mãe!E. Ela cheira legumes apodrecidos, faz caretas, fala de trás pra frente e anda com o quadril virado para as costas...Ela não é minha mãe!
-Ela só está tendo uma semana difícil!Olha ela ali!Está trazendo um pãozinho com uma barrinha de manteiga, e uma caneca bem grande de achocolatado!-E a sombra da mulher arrastava uns passos estranhos, de animal quebrado, e se aproximando de pai e filha notou um rosto torcido, a boca parecendo sempre dizer algo, com toda a extensão possível às palavras e olhos dançantes em suas órbitas.
-Diga um olá pra sua filhinha amada, meu amor!
-Uishhhhhhhhhshhsihauuuuuurrrr!
-Ahhhhhhhhh!Gritou a pequena, tentando se meter em alguma abertura da camisa do pai, ao tempo que as pernas chutavam convulsivamente os lados procurando  afastar a desagradável figura.
-Não se debata tanto, que assim não consigo segurar caneca e pão!E além do mais estás a ser mal educada com sua mãe que passou tanto tempo na cozinha pra preparar algo gostoso pra sua princesa!
A voz possuía lá suas qualidades persuasivas, a garota foi se desvirando de seu avesso físico-sentimental com as contorções semelhantes a um tímido pequeno verme, e logo se via sentada em uma posição comportada e submissa, com os olhos fixos nos pés dela, que apontavam uma posição impossível!
-Shiiiiiiiiaaaaaaaaaaauuuuuuuuuuuuuuuuunnnnnnnnn-aaaaammmmmmmmmu!- ousou encarar o rosto do monstro que lhe falava, e viu que a boca continuava aqueles movimentos caricatos de conversa, ao tempo que lhe parecia esboçar um sorriso vertical!Ela estendeu-lhe o pão, e a caneca, e, com a fome incomodando tanto o estômago resolveu tentar engolir algum bocado.
Apanhou-os, mastigou um pedaço com a dificuldade de quem estivera já alguns dias sem comer, mas a boca se encheu de vômito, enquanto os olhos se embaciavam pelas contrações do asco!
-Isso... Isso é carne crua!Carne crua... Saia daqui seu demônio!Eu odeio você!Eu odeio você!
-Calma minha filhinha!Isso é pão!É pão!Olhe!-E o homem rasgou um pedaço da massa branca ainda quente e o consumiu com um gole de leite e um sorriso conciliador.
-Saia daqui... Eu tenho medo dela, papai!Manda ela ir embora dessa casa!-Sem que a criança visse, o homem olhou ternamente para a criatura, e ela balançou sua cabeça virou-se e se afastou com aqueles mesmos passos tortos. Ninguém notou, que também chorava!
Ambos estreitaram um forte abraço, e, não sabia se por conta da lareira, ela suava profusamente; e pensava se daqui alguns minutos, quando seus créditos acabassem o SAC da divisão estatal de realidade virtual resolveria o tipo de reclamações que iria fazer!



Anderson Dias Cardoso.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...