domingo, 28 de abril de 2013

Teu Ventre Sempre Vazio...


De família emocionalmente distante, e sua particular timidez, ousou se apaixonar aos 13!
Mas era afeto platônico, provavelmente nunca consumável; ainda assim a fazia revirar no leito, com todas características dores e taquicardias dos que sofrem dessas corriqueiras mazelas.
Se sofria em silêncio, seu corpo denunciava-lhe os sentimentos de forma incomum, com aumento repentino dos pequenos seios, e o avolumar do magro ventre.
Seus pais nunca compreenderam que existiam gravidezes psicológicas!
Como sendo filha de povo rústico; daqueles que não permitem tanta falta de vergonha, depois de inquirida a paternidade, espancada pela “mentira” a criança, foi lançada à sorte!
Perambulou então pelas ruas, vivendo de improviso, e esmolando através do olhar...
A dor levara de si o ardor, lhe secou o leite, e abortou o filho!
Apaixonou-se aí por outro, e outros, e processou tantas gestações; mas a vergonha agora se vestia ainda de descuido, e trapos imundos!
Foi quando alguém percebeu a ternura por trás dos farrapos, se acomodando à sua sofrida beleza  a propôs casamento!
Foi tão bela sua acolhida, e nababescas suas núpcias; mas a felicidade só esbarrou na plenitude, pois seu corpo mentira todo tempo:
Seu ventre estéril jamais poderia gerar filho!


Anderson Dias Cardoso.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...