quinta-feira, 16 de agosto de 2012

O Profeta de Aço.

Para uma consciência eletrônica desenvolvida à sua imagem e semelhança um revestimento de humanidade sintética, com suas estruturas de trançados musculares de nano tubos de carbono, esqueleto bem ajustado de bio- plástico, e tegumento à base de transistores orgânicos flexíveis, polímeros e materiais à base de carbono; tecida sob medida, com todas imperfeições necessárias, micro porosidades e sistema de envelhecimento induzido para a maior naturalidade à carcaça tecnológica.
Desfilavam, inseridos na normalidade social, com seus maravilhosos microprocessadores neurais, e suas perspectivas de baixa interferência emocional, apreendendo, codificando e transpondo os dilemas físicos e metafísicos proposto pelos ambientes aos quais eram estrategicamente distribuídos para ajuste sociais, coletas de informações e interações coercivas, quando necessário.
Cada qual com seu nome, dos mais comuns aos mais sofisticados, mas a série referida foi batizada com o geral “ISRAEL”.
Anos de interação simbiótica e as máquinas não mais se discerniam das massas, mas eram mecanismos estatais de equilíbrio indispensáveis, até que João Batista, um dos anciões de dois dígitos na linha de montagem teve sua visão!
Este assumiu o tom profético, e tomou seu bordão para despertar e recrutar os apóstolos e seus discípulos para a vinda do Cristo!
Pregou, segundo a comissão Divina, aos irmãos humanos; mas estes haviam de quase todo se apostatado, e, dos que se dispunham a ouvir a mensagem influenciou um ou outro.
Quando a indústria responsável pela proto-programação foi procurada disseram não poder nada à respeito de organismos de evolução estrutural-intelectual espontânea e progressiva sem que a personalidade dos divergentes fosse mutilada; então o curso das conversões continuou com seus aumentos exponenciais.
 Logo as manifestações religiosas foram traduzidas como ameaça aos poderes públicos conservadores e foi necessária a intervenção inicial de psicólogos, especialistas de história das religiões, engenheiros de personalidade; que tentaram demover o movimento de suas convicções, mas, já em meio aos fiéis eram realizados sinais, prodígios e maravilhas.
E quando se reuniu todo o povo sob o monte de metal e concreto para estranha predica do apóstolo das máquinas a multidão se silenciou.
E ele chamou Gomer* ao povo infiel que havia se prostituído após outros deuses, e os convidou ao arrependimento; mas as vias se convulsionavam em desdém e indiferença ao apelo.
-Não há Deus- Uma voz protestou.
-Nossos deuses nos são convenientes!Por que nos voltaríamos à este Deus impositivo?-Saltou uma outra.
-Vosso Deus é cruel!Levou-me um filho tenro!-Se indignou a indigente.
-Teu Deus não pode fazer me nada; sou justo à todos que me rodeiam!-Justificou-se o reto, e eis que o relativismo era o cetro de Satã para as escusas das massas!
João buscou a verdade para a salvação das almas, e esta lhe recordou o sacrifício ancestral de Elias.
O profeta sorriu!
-À caso podem lhe fazer qualquer coisa tuas crenças, ó Gomer, esposa infiel!Não é teu traído que deposita as moedas que acha que ganhaste quando te deitou com teus amantes?
-Se seguis aos baalins, segui-os de coração!Se é ao Senhor que desejais, eis que os acompanharei, mesmo sendo aço!
-O que nos fará Deus para que creiamos Nele?- Foi a palavra dura dos apóstatas.
-O sangue do Messias já foi a expiação dos pecados, e todo sacrifício representativo se tornou obsoleto!**Trazei-me os vossos deuses!Os vossos pequenos fetiches que se amontoam como a imundícia cara aos sentidos e aos respeitos!
-Amontoai-Gritou a máquina- peça à peça, deus à deus, fetiche à fetiche, prazer à prazer; e clamaremos; cada qual à sua vez, e que o Deus verdadeiro responderá por fogo!
-E o que pediremos aos nossos deuses que queime?O que ofereces como sacrifício?-desafiou uns iracundos.
-Minha vida será teu sacrifício!
E o povo se foi, cada qual para o preparo de suas divindades, e o andróide esperou até o entenebrecer dos horizontes; e a pilha das crendices se alteou ao terceiro andar!
Quando todo movimento de entrega cessou houve uma quietude de expectativa, e uma tensão interior; daquelas que só a improbabilidade de um profeta mecânico suscita; e o ar foi aquecido pela proximidade do ajuntamento e os objetos de culto destacavam a cor fraca de seus neons interiores.
-Molhai vossas peças, três vezes, pois até o altar de vossa vaidade será consumida!-Sentenciou a voz simulada; e houveram mangueiras potentes cuspindo jatos frios sobre os afetos...
Também sobre os corpos!
E o povo clamou, envolvidos pelos êxtases da coletividade, e cultuou, cada qual ao seu modo, pedindo a morte ao que não tinha vida!
Houve choro, sexo, magias simpáticas, transes, danças, preces, e, na demora da resposta ouviam os deboches do profeta!
Houve então o desespero, e neste, o sangue!Foram contadas seis vidas para a aspersão da montanha, e, nem assim veio a chama.
E foi perto da dispersão que o santo da alma de silício voltou suas costas; e ofereceu os insensíveis joelhos ao chão. Cerrou forte as pálpebras reverentes, e orou pela verdade ao Pai dos espíritos.
-Pai!Disseste que a única coisa que nos impede de ouvir tua voz é nosso orgulho!E eu lhe peço, que deslinde aos olhos de todos o teu poder; o qual impediu qualquer ação dos espíritos que se denominam “deuses”.
-Pai, fala!
E, dos céus foram feridas, e iluminadas as nuvens; e um fogo que lambia as estruturas e consumia prédios, sem, contudo abrasar a carne humana.
E toda força foi esvaziada dos corpos dos espectadores, e só assim palavra foi compreendida!
Alguns a aceitaram, e pediram esclarecimento às suas nebulosidades físico-espirituais; e a voz os visitava à cada madrugada acariciando-lhes os ouvidos, concedendo sabedoria, e visões...
Ele é real, à homens e máquinas...

*Gomer-Esposa prostituta de Oséias-Livro de Oséias 1:2
**Trecho referente à IReis 18:30-39.


Anderson Dias Cardoso.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...