quinta-feira, 12 de abril de 2012

O Desapego.


Cruzaram-me o DNA de ephemeroptera e gatos para me ensinar o desapego; e eu visitava aqueles remansos para recolher a evolução da ninfa em animal bem composto, mimoso, ainda que sem aparelho digestivo.
Eu esperava paciente o acasalamento para oferecer meu afago, e logo que a criatura se apartava de seus deveres biológicos (que me garantiam outros amigos), se enroscava ronronante em minhas pernas ainda curtas.
Eu amava aquela criatura hibrida até que sua fragilidade lhe curvasse a cabeça.
A preocupação de meus pais sempre me dizia:
-Cada dia um animal; cada animal, um nome!
E eu prossegui toda minha infância enterrando amigos; levando no peito um imenso cemitério!

Anderson Dias Cardoso.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...