quarta-feira, 24 de agosto de 2011

O Nascimento De Um Pistoleiro.

O seu respeito custou uma bagatela de 72 vidas. Contratos bem cumpridos agregavam valor à cada morte, e logo precisava matar pouco para sobreviver dignamente.
Sofria com a bajulação dos temerosos, mas pesava cada amizade e relacionamento em moedas de ouro. Nenhuma delas valia muito.
Seu nome movimentava cidades, sendo possibilidade real de morte aos adultos, viuvez, ou ameaças à crias desobedientes.
Em suas visitas espantava por não causar espanto; suas roupas eram limpas, suas unhas e pelos sempre rentes e ele exalava bons perfumes. Vez ou outra fazia subir um arrepio com um olhar cruel, mas logo a fala mansa abrandava a ameaça e sua presença amena fazia esquecer sua reputação; até que uma bala precisa esvaziava um corpo e enchia um bolso.
Voltava-se após a queda, sorria para os que acudiam e deixava sempre uma bala não deflagrada à precisos seis passos. O souvenir marcava sua presença e intimidava, facilitando outros prováveis serviços.
Numa de suas sedes pediu cerveja e vinho, a primeira foi sorvida em um gole, o segundo foi derramado intencionalmente de seu copo fazendo desviar qualquer olhar curioso e dispersar alguns menos corajosos.
O Saloon havia sido escolhido por acolher um pretenso rival; um jovem talentoso, com algumas mortes importantes em sua breve carreira.
Os olhos se mantinham em seu aperitivo, movimentando o copo raso para diluir os resíduos da aguardente quinada, mimo importado da América do Sul para clientes potenciais.
Uma sombra o arrancou de suas distrações e ele pode ver um sujeito elegante se acomodar no banco ao lado.
O homem pediu outra cerveja e entabulou uma conversa que cheirava a álcool.
-Está aqui a serviço?
-Sim- Os olhos não se desviaram um instante de sua atividade.
-Soube que é dos bons.
-No entanto um estranho me aborda numa conversa... Minha fama não intimida o suficiente.
-Quantas mortes?
-12.
-Um bom número. Aposto que já me tomou algum serviço.
O moço ergueu pela primeira vez os olhos, e o homem estremeceu e continuou:
-Proponho um duelo!-A boca havia se secado e as palavras torturaram a garganta.
-Existem encomendas suficientes para dois.
-Considero sua resposta como pura covardia.
-As mortes têm um preço; quem pagará pela sua?
-Minha morte em sua caderneta duplicará seus rendimentos.
-Deixe-me terminar outra aguardente, ela me alegra o coração e torna meu ofício mais fácil! Peço que aceite também outra cerveja; cortesia de um irmão de profissão.
Ambos beberam, tomaram seus chapéus e sem encaminharam para a rua poeirenta. O alarde feito por todos os que corriam para presenciar o duelo fez crescer ainda mais o bolo dos curiosos.
Cada qual tomou o sentido inverso, e se viraram quando foram contados nove passos.
Inspecionaram suas armas, e as recolocaram no coldre e então alguém lançou uma moeda, e com o discreto baque da mesma as duas armas foram sacadas, mas um dedo se recusou apertar o gatilho e o corpo mais respeitado veio ao chão.
Os olhos do moço brilharam frios, a boca contorceu um sorriso de escárnio, ele deu outros seis passos e deixou um de seus cartuchos não deflagrados marcando o lugar; não entendeu que seu pai não havia lhe deixado um nome, deixou lhe uma reputação.

Anderson Dias Cardoso.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...