terça-feira, 8 de dezembro de 2015

O "Doidinho do Barco".



Todos os dias, depois de seu trabalho de meio período, e seus afazeres domésticos, se encontrava ali, no cais. Mesmo lugar, hora, posição; em frente à rampa de desembarque do velho “Catarina”.
Todos de sua família, seu único amigo, e as pessoas que zombavam dele, o chamando de “doidinho do barco”, sempre perguntavam por quem esperava, e se seria merecedor de tamanha consideração. Ele respondia que saberiam quando a encontrasse.
O corpo franzino desceu à cova no dia 08 de setembro, e ninguém estava por perto quando eles se abraçaram. 





Anderson Dias Cardoso.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...