sábado, 19 de dezembro de 2015

Irmãos...


...e lá estavam aqueles “santos” e suas mãos terrivelmente ensangüentadas, escondidas atrás das costas, ainda que ninguém deixasse de notar.
Os dedos “pagãos”, tão viscosos e rubros quanto, apontavam, enquanto bocas risonhas denunciavam a hipocrisia daqueles homens.
Foi então que notei que somos um povo de sangue.
Não há um Abel sequer. Todos somos Caim.




Anderson Dias Cardoso.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...