domingo, 1 de setembro de 2013

A Morte Dos Estranhos.



Aconteceu que se encontrava ali, debruçado sobre um imundo e esfarrapado desconhecido, aplicando pressão ao coração que falia; mas estava a lhe fazer tão pouco caso!
A boca do semimorto havia provado algum molho rosado, e agora espumava e, esta mesma escondia atrás de si um débil sorriso!
O primeiro homem insistia na massagem, e seus braços já tinham articulações cansadas do esforço, em contraponto que o peito enfermo estalava sob cada violenta arremetida!
-Luta!Luta que esta é tua vida!
Mas era inútil, assim como confessavam os olhos da vítima!
Ele sabia da morte, porém ainda vestia aquele sorriso estranho, confortado, complacente; e que se foi desvanecendo assim que o ataque finalizava seu ciclo.
Tremelicou um pouquinho, rangeu de dor os amarelecidos dentes e partiu.
Então ajudador levantou se de sua derrota, cobriu dignamente com seu agasalho o defunto e procurou alguma viatura para notificar a morte...
Abandonou o corpo esvaziado aos cuidados do Estado, e o sorriso enigmático à indiferença, mas este queria lhe dizer tanto!
Quis lhe dizer dos seus infinitos abandonos, e do aconchego da morte sob os cuidados de um estranho!



Anderson Dias Cardoso.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...